Infiltrações

Quando o ortopedista recomenda que o paciente faça uma infiltração no joelho, é comum que surjam muitas dúvidas. Com frequência, as pessoas temem que o procedimento seja doloroso ou arriscado. Porém, com os avanços tecnológicos na ortopedia, essa intervenção quando bem efetuada, trata uma série de problemas no joelho. 

Como funciona a infiltração no joelho?

Essa abordagem consiste na injeção medicamentosa que é administrada diretamente no espaço articular. Por ser precedida por uma anestesia na pele e na cápsula articular, ela é dolorida como qualquer outra injeção. Ou seja, o indivíduo sente apenas uma picada seguida da ardência temporária por causa do anestésico aplicado. É válido ressaltar que a infiltração em si não dói nada justamente pela anestesia local.

Infiltração: ortopedista desmistifica o procedimento e tira ...

Quais são as indicações para esse tratamento?

As infiltrações são indicadas para quadros inflamatórios que não respondem aos métodos tradicionais, como medicamentos de uso oral, sessões de fisioterapia e gelo. No entanto, nesse contexto o remédio injetado não são os corticoides usados em inflamações.

Que substâncias são utilizadas?

No geral, os corticoides são utilizados por seu amplo potencial anti-inflamatório. Há categorias específicas de corticoides que funcionam melhor nos joelhos e cabe ao ortopedista selecionar a alternativa apropriada para cada caso. Além disso, anestésicos são empregados quando o indivíduo é acometido por dores muito intensas.

No combate à artrose, a substância prescrita com maior regularidade é o ácido hialurônico. Por ser injetado na articulação, o composto auxilia a incrementar a viscosidade do líquido sinovial (fluido viscoso que serve para lubrificar a articulação). Então, o ácido hialurônico atua como um lubrificante e ainda nutre a cartilagem das articulações, sobretudo dos joelhos. Sendo assim, o recurso é capaz de amenizar o desconforto.

Blog - Clínica de Joelho | Dr. Eduardo Ferreira

Existem riscos no excesso de infiltrações?

Sim, pois os corticoides, se injetados em excesso, podem deixar os tecidos fragilizados e suscetíveis a lesões. Desse modo, sua utilização deve se limitar a quadros em que as abordagens tradicionais não surtiram os efeitos esperados. É importante apontar ainda os possíveis efeitos adversos sistêmicos, como o aumento glicêmico e da pressão arterial. Consequentemente, quem tem diabetes ou hipertensão precisa tomar precauções antes de aderir ao tratamento. Já na aplicação de ácido hialurônico, sugere-se uma sequência de três infiltrações, sendo uma a cada semana. Os efeitos colaterais costumam ser localizados, tipo a sinovite, que é uma inflamação da membrana sinovial